Jane Austen… Uma Vida Revelada por Catherine Reef

19 de maio
Destaque / Resenhas

Cartas e antigos diários podem revelar muito sobre pessoas famosas do passado, mas Austen não deixou nenhum diário.

Nas férias de Janeiro deste ano, como já mencionei anteriormente, me dediquei a ler alguns livros de Jane Austen que ainda não tinha lido, assim como ler alguns livros de novas escritoras que possuem escrita a seu estilo. No meio dessas leituras, aproveitei para conhecer um pouco mais sobre a autora que tanto me encanta lendo Jane Austen, Uma vida revelada, de Catherine Reef.

Um livro simplesmente encantador, desde a escolha de seu formato, tamanho até o designer de sua capa e a escrita prazerosa de Catherine Reef.

Book 8

Confesso que sou uma amante de biografias e autobiografias, pois acredito que quando admiramos muito um autor ou uma autora, automaticamente surge o desejo de saber mais sobre quem é a pessoa por de trás daquelas belíssimas histórias que encontramos nas páginas de um livro. Muito de quem é o autor ou a autora, a meu ver, está embuído na descrição de um personagem X, ou de um cenário Y, assim como os detalhes da época em que viveu e escreveu suas histórias nos oferecem uma percepção muito mais ampla do enredo escolhido, das tramas vividas.

Os Sinos… Um Romance Fascinante de Richard Harvell

12 de maio
Destaque / Resenhas

Um simples som… os fragmentos das notas de uma música… o badalar de um sino… um maço de papéis… uma confissão em forma de carta… “un castrati”.

Um vale… uma aldeia nos Alpes suíços… uma Abadia… um repulsivo regente… grandes teatros… Veneza… um aclamado cantor lírico da Europa… Lo Svizzero.

São todos estes cenários e personagens que compõem o sublime romance Os Sinos, de Richard Harvell. Uma história onde a paixão, a coragem e a imensa beleza permeiam cada um de seus capítulos, cada momento da vida de seus personagens, “fazendo pela audição o que o livro O perfume, de Patrick Süskind, fez pelo o olfato”. Nas palavras de Sarah Dunant, “A novel to engane the senses as well as tickle the mind” (Um romance para envolver os sentidos, bem como para agradar a mente, em tradução livre).

Embora ele [Moisés Froben, Lo Svizzero] pareça estar se dirigindo a mim, eu não consigo acreditar que ele não quisesse que essas palavras também chegassem a outros olhos. Ele era um cantor, vejam bem, que ensaiava de janela aberta, para que qualquer homem ou mulher que passasse na rua pudesse ter a chance de ouvir um anjo cantar – Nicolai Froben, Londres, 6 de Outubro de 1806.

Book 7

Os Sinos foi para mim um delicioso presente de Natal da minha prima Alê. O queria muito e quando abri aquela linda embalagem vermelha, vocês não imaginam minha felicidade… Não dá nem para descrever. Uma coisa é certa, o passei na frente de vários outros livros que estão na minha pilha de leituras, para me emocionar com esta encantadora história. Ou melhor dizer, deixar meus sentidos fluírem livremente com cada nota musical, com cada balada dos sinos que Moisés Froben nos ensina a perceber ao relatar, por intermédio de cartas deixadas ao seu filho Nicolai, sua história.

A Viagem de Cem Passos… Um Romance Gastronômico de Richard C. Morais

05 de maio
Destaque / Resenhas

Sou uma pessoa de muitas paixões: ler, fotografar, viajar, escrever, estudar, andar de bike… Mas há uma delas muito especial e que permeia todos os poucos anos de minha vida: cozinhar.

A alquimia do cozinhar é algo que me encanta desde os tempos de menina até os dias de hoje. Posso passar horas criando receitas, decorando pratos e não me canso, principalmente se escutando uma boa música e munida de todos os meus artefatos de culinária.

Para mim cozinhar não é uma obrigação. É um prazer!! É uma forma de deixar a tensão dos dias de trabalho irem embora, colocando todo o meu amor e carinho em um alimento que será partilhado entre as pessoas que amo. Cozinhar é algo que vem da alma, do coração direto para a alquimia das mãos.

Comidas são lembranças.

Quando encontro livros e filmes que unam mais de uma de minhas paixões… Fico totalmente absorta para ler ou assistir e conhecer um pouco mais deste mundo que me encanta. E, foi exatamente isso que aconteceu comigo quando me deparei, nas prateleiras da livraria do Cine Reserva Cultural, com o livro A viagem de cem passos, de Richard C. Morais, há cerca de um ano e meio atrás, enquanto esperava para assistir o clássico O Homem que ri, de Victor Hugo.

Na época lembro-me que comecei a ler algumas de suas páginas iniciais, mas devido a correria do dia a dia, acabei o colocando na minha pilha de livros a serem lidos em breve. Mas como podem ver, não foi tão em breve assim… No ano passado com sua adaptação ao cinema, A 100 passos de um sonho, com Helen Mirren e Om Puri, o desejo de ler voltou a tona e, recentemente o li, bem como assisti ao filme.

Sophia Loren… Ontem, Hoje E Amanhã

28 de abril
Destaque / Resenhas

No final do ano passado, bem na época das festividades, fiz a leitura do livro autobiográfico de Sophia Loren, Ontem, Hoje e Amanhã, que começa exatamente assim…

A campainha continua a tocar, enquanto acabo de preparar os últimos strufolli. Corro para abrir a porta com as mãos sujas de farinha, limpando-as de qualquer jeito no avental. O florista esboça um sorriso, quase escondido atrás de um gigantesco buquê de bicos-de-papagaio. – É para a senhora, dona Sophia. Agora é só botar seu autógrafo aqui… Por um instante o selo no laço que envolve o buquê me leva até a Itália e me emociona. Coloco a planta em um móvel e abro o cartão. São votos de afeto e alegria. Os gritos das crianças, recém-chegadas da América para as festas de fim de ano, enchem a casa de uma adorável confusão. Amanhã é véspera de Natal. […]

Book 6

Ceremonia del Sol por Carlos Páez Vilaró

11 de abril
Destaque / Resenhas

Queridos @rtrevidos, nas próximas duas semanas não postarei novas resenhas, pois estarei visitando e trabalhando no Uruguai. Assim… deixo aqui um pouco do que verei lá.

Ceremonia del Sol

Carlos Páez Vilaró*Vilaró

Hola Sol …! Otra vez sin anunciarte llegas a visitarnos. Otra vez en tu larga caminata desde el comienzo de la vida.

Hola Sol…! Con tu panza cargada de oro hirviendo para repartirlo generoso por villas y caseríos, capillas campesinas, valles, bosques, ríos o pueblitos olvidados.

Hola Sol…! Nadie ignora que perteneces a todos, pero que prefieres dar tu calor a los más necesitados, los que precisan de tu luz para iluminar sus casitas de chapa, los que reciben de tí la energía para afrontar el trabajo, los que piden a Dios que nunca les faltes, para enriquecer sus plantíos, y lograr sus cosechas. Es que vos, Sol, sos el pan dorado de la mesa de los pobres. Desde mis terrazas te veo llegar cada tarde como un aro de fuego rodando a través de los años, puntual, infaltable, animando mi filosofía desde el día que soñé con levantar Casapueblo y puse entre las rocas mi primer ladrillo.
Recuerdo que era un día inflamado de tormenta, el mar había sustituido el azul por un color grisáceo empavonado, en el horizonte un velero escorado afinaba el rumbo para saltear la tempestad, el cielo se llenaba de graznidos de cuervos en huida, la sierra se peinaba con la ventolera alborotando a la comadreja y al conejo.