Os Sinos… Um Romance Fascinante de Richard Harvell

12 de maio
Destaque / Resenhas

Um simples som… os fragmentos das notas de uma música… o badalar de um sino… um maço de papéis… uma confissão em forma de carta… “un castrati”.

Um vale… uma aldeia nos Alpes suíços… uma Abadia… um repulsivo regente… grandes teatros… Veneza… um aclamado cantor lírico da Europa… Lo Svizzero.

São todos estes cenários e personagens que compõem o sublime romance Os Sinos, de Richard Harvell. Uma história onde a paixão, a coragem e a imensa beleza permeiam cada um de seus capítulos, cada momento da vida de seus personagens, “fazendo pela audição o que o livro O perfume, de Patrick Süskind, fez pelo o olfato”. Nas palavras de Sarah Dunant, “A novel to engane the senses as well as tickle the mind” (Um romance para envolver os sentidos, bem como para agradar a mente, em tradução livre).

Embora ele [Moisés Froben, Lo Svizzero] pareça estar se dirigindo a mim, eu não consigo acreditar que ele não quisesse que essas palavras também chegassem a outros olhos. Ele era um cantor, vejam bem, que ensaiava de janela aberta, para que qualquer homem ou mulher que passasse na rua pudesse ter a chance de ouvir um anjo cantar – Nicolai Froben, Londres, 6 de Outubro de 1806.

Book 7

Os Sinos foi para mim um delicioso presente de Natal da minha prima Alê. O queria muito e quando abri aquela linda embalagem vermelha, vocês não imaginam minha felicidade… Não dá nem para descrever. Uma coisa é certa, o passei na frente de vários outros livros que estão na minha pilha de leituras, para me emocionar com esta encantadora história. Ou melhor dizer, deixar meus sentidos fluírem livremente com cada nota musical, com cada balada dos sinos que Moisés Froben nos ensina a perceber ao relatar, por intermédio de cartas deixadas ao seu filho Nicolai, sua história.

A narrativa que emociona, que nos prende do começo ao fim, traz desde o nascimento de Moisés no pequeno vale de Uri, nos Alpes suíços até a descrição de como tornou-se Lo Svizzero; mostrando os detalhes de sua vida com a mãe Adelheid Froben, uma pobre aldeã surda-muda; a descoberta de quem era seu pai, consequentemente os pecados que a Igreja encobre; a morte da mãe e, consequentemente, sua expulsão do vilarejo; o encontro com Nicolai e Remus; a chegada e os dias vividos na Abadia de São Galo; a descoberta de seu verdadeiro dom, o canto; a castração para manter sua voz como a de um anjo; tudo que precisou enfrentar para ficar ao lado do grande amor de sua vida, Amália Dufy; os desafios para se tornar um dos mais aclamados cantores líricos.

Você olhou dos meus lábios para os meus olhos, que estavam cheios de lágrimas. Não entendeu uma só palavra, mas viu que eu estava triste, e seu lábio começou a se curvar. Então fiquei de pé, e andamos de um lado para o outro na praça vazia. pus você no meu ombro. Eu o abracei com força e deixei o mundo esperar mais dez minutos pela minha voz. Porque, naquele momento, meu filho, eu cantei só para você.

Um romance que do começo ao fim não nos dá certezas de como será o destino de cada um dos personagens. Um romance que a cada página nos surpreende e nos faz suspirar querendo mais. Que tal vivenciar?

By Danny Leal

Postado por @rtrevimento em 12 mai 2015
Categorias: Destaque, Resenhas

Deixe um comentário