O Diário Secreto de Lizzie Bennet… Uma Adaptação Literária

07 de abril
Destaque / Resenhas

Aproveitando a pausa nos romances de Jane Austen (resenha em breve) e contagiada com as escritoras que escrevem, nos dias de hoje, romances no estilo Austen, me deixei levar pela curiosidade e conhecer a famosa adaptação literária de Orgulho e Preconceito baseada na série The Lizzie Bennet Diaries.

Book 3

Confesso, primeiro, que no começo fiquei receosa. Afinal, tentar adaptar um clássico da literatura de Jane Austen para os dias de hoje, não é uma tarefa muito fácil de se fazer, ainda mais em vídeos e depois em um livro-diário. Segundo, não sabia que a adaptação literária em vlog já era um sucesso na internet desde o ano de 2012, tendo ganho em 2013 o prêmio de melhor mídia interativa/programa interativo original durante o 65th Primetime Creative Arts Emmy Awards. Foi somente através da ampla divulgação do lançamento do livro no Brasil, pela Verus Editora, que tomei conhecimento do canal no Youtube. E, terceiro, fiquei apaixonada pela adaptação!! Impossível era não lembrar das passagens do livro de Jane Austen, assim como das cenas do filme Orgulho e Preconceito com Keira Knightley e Matthew Macfadyen.

No começo tentei conciliar a leitura do livro, O Diário Secreto de Lizzie Bennet, de Bernie Su e Kate Rorick, com o vlog. Entretanto, fui percebendo que assim a leitura não fluía muito e, em alguns momentos, ou avançava demais na leitura ou avançava muito nos vídeos. Então, decidi ler todo o livro para depois ver todos os episódios do vlog. Não me arrependi nenhum pouco desta escolha.

É uma verdade universalmente conhecida que um homem solteiro com uma grande fortuna deve estar à procura de uma esposa.

Lizzie Bennet de forma cativante, muito engraçada e extrovertida revela-nos a sagacidade, a inteligência e a perspicácia da Elizabeth dos dias de hoje, mas com um toque especial da Elizabeth de Jane Austen. Darcy, apesar de o conhecermos mais pelas palavras de Lizzie do que por suas próprias aparições, representa de forma precisa o homem de estilo nobre, arrogante, mas que no fundo é muito mais introspectivo do que arrogante e, principalmente, que esconde uma grande admiração e um terno amor por Lizzie, assim como em Orgulho e Preconceito.

Suas irmãs representam fielmente a personalidade de Jane e Lydia Bennet descritas por Austen: a primeira uma jovem amável, carinhosa, que tenta agradar a todos e que se apaixona a primeira vista por Bing Lee (Charles Bingley, no original), o jovem rico que acaba de se mudar para a cidade e, a segunda, a mais jovens das irmãs Bennet, é teimosa, age impensadamente e vive atrás de jovens rapazes, porém o final de seu relacionamento imprudente será bem diferente do que o escolhido por Jane Austen; um final muito mais aos moldes do século XXI do que do século XVIII.

Uau. Já se passou um ano? Eu me lembro de estar sentada com este diário, frustrada com minha mãe e uma ideia na cabeça se formando para um projeto da faculdade, e sem pensar muito além disso. E agora…

Enfim, um livro super interativo, repleto de nuances dos tempos atuais com um roteiro do século XVIII. Para os amantes de Jane Austen, um grato presente, pois sem perder o foco, o enredo, O Diário de Lizzie Bennet nos remete o tempo todo a obra original, dando-nos a sensação de que podem se passar os séculos, mas a obra Orgulho e Preconceito de Austen será tão presente em nossas vidas quanto o era em sua época. Afinal, o mundo, as regras sociais podem mudar, os tempos podem ser outros, mas há fatos, acontecimentos que acontecerão sempre, de uma forma um pouco diferente, mas sempre acontecerão.

By Danny Leal

Postado por @rtrevimento em 07 abr 2015
Categorias: Destaque, Resenhas

Deixe um comentário