Lady Susan… Um Romance de Jane Austen

26 de maio
Destaque / Resenhas

Book 9

Lady Suzan, o romance epistolar de Jane Austen, foi escrito entre os anos de 1794 e 1805, e não recebeu muita atenção dos leitores em comparação com os seus outros seis romances.

A cópia do manuscrito original nunca chegou a ser encaminhada a nenhum editor; mantendo-se assim até cerca de 54 anos após a morte de Jane Austen. Sua primeira publicação ocorreu no formato de apêndice, no de 1871, na segunda edição do A Memoir of Jane Austen, biografia da autora escrita por seu sobrinho James Edward Austen-Leigh.

Lady Suzan, considerada uma das melhores personagens de Jane Austen, principalmente por se diferenciar de todas as demais protagonistas, é linda e suscita paixão nos homens (coquete). Viúva na casa de seus 30 anos de idade, Lady Suzan busca um novo e vantajoso matrimônio para si, ao mesmo tempo em que tenta um casamento para a filha, a jovem e doce Frederica. Para isso, ela preenche sua agenda de compromissos com convites de visitas à família dos parentes de seu falecido marido, repleta de manobras astuciosas para conseguir o que quer. Entretanto, sua chegada à propriedade rural do irmão de seu falecido esposo cumina com boatos de um escândalo: Lady Suzan teria sido expulsa de Langford por tentar seduzir o marido de Mrs. Manwaring e o noivo da jovem cunhada.

Não posso mais me privar do prazer de desfrutar do amável convite que me fez, quando nos despedimos pela última vez, de passar algumas semanas com vocês em Churchill, e, portanto, se for conveniente para você e Mrs. Vernon receber-me no momento, espero dentro de poucos dias ser apresentada a uma cunhada a quem há muito desejo conhecer. […] Sua mais grata e afetuosa cunhada, S. Vernon.

Apesar dos romances maiores de Jane Austen serem até hoje os mais lidos e comentados, Lady Suzan, que pode ser lido em uma única tarde de outono, acompanhado de uma chávena de chá com biscoitos amanteigados, bem ao estilo chá das cinco dos ingleses, é tão interessante e envolvente quanto os demais. As cartas trocadas entre os personagens nos despertam os mais variados sentimentos e as mais variadas reações: vontade de rir… ódio… pena da pobre Frederica… raiva do jovem Reginald de Courcy… surpresa com o caminhar dos relacionamentos… Entre tantos outros que somente lendo o conjunto da obra para saber o que vivi e senti.

Essa correspondência, devido à reunião de alguns grupos e à separação de outros, não pôde, para grande prejuízo dos Correios, continuar por mais tempo.

E, chegado aqui, se fosse apontar uma única desvantagem em relação as demais obras de Austen, seria o fato de Lady Suzan nos deixar com um Q de quero mais cartas quando chegamos as suas considerações finais. Eu desejei muitas mais. E você, será que desejará?

By Danny Leal

Postado por @rtrevimento em 26 mai 2015
Categorias: Destaque, Resenhas

Deixe um comentário