A Viagem de Cem Passos… Um Romance Gastronômico de Richard C. Morais

05 de maio
Destaque / Resenhas

Sou uma pessoa de muitas paixões: ler, fotografar, viajar, escrever, estudar, andar de bike… Mas há uma delas muito especial e que permeia todos os poucos anos de minha vida: cozinhar.

A alquimia do cozinhar é algo que me encanta desde os tempos de menina até os dias de hoje. Posso passar horas criando receitas, decorando pratos e não me canso, principalmente se escutando uma boa música e munida de todos os meus artefatos de culinária.

Para mim cozinhar não é uma obrigação. É um prazer!! É uma forma de deixar a tensão dos dias de trabalho irem embora, colocando todo o meu amor e carinho em um alimento que será partilhado entre as pessoas que amo. Cozinhar é algo que vem da alma, do coração direto para a alquimia das mãos.

Comidas são lembranças.

Quando encontro livros e filmes que unam mais de uma de minhas paixões… Fico totalmente absorta para ler ou assistir e conhecer um pouco mais deste mundo que me encanta. E, foi exatamente isso que aconteceu comigo quando me deparei, nas prateleiras da livraria do Cine Reserva Cultural, com o livro A viagem de cem passos, de Richard C. Morais, há cerca de um ano e meio atrás, enquanto esperava para assistir o clássico O Homem que ri, de Victor Hugo.

Na época lembro-me que comecei a ler algumas de suas páginas iniciais, mas devido a correria do dia a dia, acabei o colocando na minha pilha de livros a serem lidos em breve. Mas como podem ver, não foi tão em breve assim… No ano passado com sua adaptação ao cinema, A 100 passos de um sonho, com Helen Mirren e Om Puri, o desejo de ler voltou a tona e, recentemente o li, bem como assisti ao filme.

A viagem de cem passos ou A 100 passos de um sonho (título escolhido para o filme no Brasil) é um lindo romance repleto de acontecimentos gastronômicos, onde aprendemos com as tragédias de cada personagem, com as escolhas feitas para se recomeçar, com as desavenças entre os personagens por causa de seus restaurantes, com a pureza e a magia do amor pelas especiarias, pelos alimentos e, principalmente, pela arte de cozinhar. Não a arte de ser um gran chef; mas sim a arte de sentir cada um dos ingredientes quando tentamos em sua alquimia transformá-los em um saboroso prato a ser degustado por uma outra pessoa.

Cem passos separavam o restaurante especializado em comida indiana da família Haji da tradicional e reverenciada culinária francesa de Madame Mallory. Cem passos marcam a separação entre o passado de aromas, cores e lembranças de infância de Hassan Haji e seu futuro de dedicação em meio a fogões e panelas. Cem passos unem dois mundos opostos através da mesma paixão: a culinária.

Com o relato de Hassan Haji aprendemos muito sobre sua cultura e sobre a nova cultura que começa a vivenciar: “a incrível jornada culinária e existencial, da exótica Índia à sofisticada Paris”. Aprendemos sobre as sensações que um ingrediente pode nos despertar quando nos permitimos senti-lo. Aprendemos que nossos sonhos podem tornar-se reais, basta querermos, acreditarmos e lutarmos por ele. Aprendemos que com determinadas escolhas podemos nos afastar daquilo que mais amamos e daquilo que nos move a seguir em frente na realização de nossos desejos. Aprendemos que sempre é possível repensar, replanejar e voltar para aquilo que de fato aprendemos a fazer e amar.

Hassan, ao longo do filme, nos mostra em suas palavras e ações “a leveza e o sabor da descoberta da própria individualidade em um mundo que pode ser bastante amargo”. Que tal experimentar?!

By Danny Leal

Postado por @rtrevimento em 05 mai 2015
Categorias: Destaque, Resenhas

Deixe um comentário